Ir direto para menu de acessibilidade.
Portal do Governo Brasileiro
Página inicial > Patrono
Início do conteúdo da página

Patrono

Criado: Segunda, 13 de Setembro de 2021, 18h37 | Publicado: Segunda, 30 de Novembro de -0001, 00h00 | Última atualização em Terça, 12 de Dezembro de 2023, 14h26 | Acessos: 1414

Vidal de negreiros novo

VIDAL DE NEGREIROS

“Militar, líder na expulsão dos holandeses”

 

     André Vidal de Negreiros (1606-1680), heroico líder da Insurreição Pernambucana, contra a colonização holandesa no Brasil (1624-1654), nasceu no Engenho São João, na província de Filipéia de Nossa Senhora das Neves, atual cidade de João Pessoa, Paraíba, no ano de 1606.

     Era filho de nobres proprietários de terra e de engenhos de açúcar.

     Em 1624, então com 18 anos, Vidal de Negreiros apresentou-se como voluntário nas tropas organizadas na Paraíba para a libertação da Bahia. Por ter se destacado como militante da resistência, recebeu condecorações e foi promovido ao posto de alferes (patente de oficial abaixo de tenente), condecorado e sucessivamente nomeado pelo rei D. João IV a Governador e Capitão-geral da Capitania do Maranhão e do Grão-Pará (1655-1656), Governador da capitania de Pernambuco (1657-1661), de Angola (1661-1666) e, novamente, de Pernambuco (1667).

   Em 1624, então com 18 anos, Vidal de Negreiros apresentou-se como voluntário nas tropas organizadas na Paraíba para a libertação da Bahia. Por ter se destacado como militante da resistência, recebeu condecorações e foi promovido ao posto de alferes (patente de oficial abaixo de tenente), condecorado e sucessivamente nomeado pelo rei D. João IV a Governador e Capitão-geral da Capitania do Maranhão e do Grão-Pará (1655-1656), Governador da capitania de Pernambuco (1657-1661), de Angola (1661-1666) e, novamente, de Pernambuco (1667).

    No contexto das invasões holandesas do Brasil (1624-1654), Vidal de Negreiros lutou contra os holandeses na Bahia (1624) e após oito anos em Portugal e Espanha, voltou ao Brasil para lutar contra o governo do príncipe holandês Maurício de Nassau, instalado em Pernambuco e capitanias vizinhas, participando de todas as fases da Insurreição Pernambucana (1645-1654), quando mobilizou tropas e meios no sertão nordestino.

    Foi nomeado Mestre de Campo, notabilizando-se no comando de um dos Terços do “Exército Patriota”, nas duas Batalhas dos Guararapes (19 de abril de 1648 e depois em 19 de fevereiro de 1649), acompanhado de João Fernandes Vieira, Henrique Dias e Filipe Camarão. A derrota holandesa nas duas Batalhas dos Guararapes, vencidas por forças luso-brasileiras, destaca-se como episódio marcante no término das invasões holandesas do Brasil, no século XVII.

    A Batalha dos Guararapes foi um confronto militar que ocorreu no âmbito da Guerra da Restauração da independência de Portugal face à Espanha, levando as tropas portuguesas a recuperar os territórios ultramarinos que haviam sido ocupados pelos holandeses durante o domínio espanhol, tal como o Nordeste do Brasil.

     A Batalha dos Guararapes foi travada em dois confrontos, primeiro em 18 e 19 de abril de 1648 e depois em 19 de fevereiro de 1649,entre o Exército da Holanda e as tropas portuguesas do Império Português no Morro dos Guararapes na então Capitania de Pernambuco, atual Jaboatão dos Guararapes, município da Região Metropolitana do Recife no território que corresponde ao atual estado brasileiro de Pernambuco.

 

Batalha de guararapes

Victor Meirelles - "Battle of Guararapes", 1879, oil on canvas, Museu Nacional de Belas Artes, Rio de Janeiro.

 

Batalha de Guararapes 2

André Vidal de Negreiros em detalhe da pintura Batalha dos Guararape.

     Nos últimos anos de sua vida mandou construir a Igreja de N. S. do Desterro, entre Itambé e Pedras de Fogo, limite da Paraíba e Pernambuco.

    Depois de uma vida dedicada à luta, já com a idade avançada, deficiente de uma das pernas, recolheu-se ao Engenho Novo de Goiana, de sua propriedade, onde faleceu aos 74 anos, em 3 de fevereiro de 1680, e em cuja capela foi sepultado.

    No dia 4 de agosto de 1942, por iniciativa do Arcebispado de Olinda e Recife, do Comando da Região Militar e Governo do Estado de Pernambuco, foi realizado o traslado dos restos mortais de André Vidal de Negreiros para a Igreja de Nossa Senhora dos Prazeres, nos históricos Montes Guararapes, município de Jaboatão dos Guararapes.

    Pelo Decreto n.º 56.833, de 3 de setembro de 1965, o 15º Regimento de Infantaria (15º RI), atual 15º BI Mtz, recebeu a denominação histórica de “Regimento Vidal de Negreiros, contribuindo para exaltação dos nomes gloriosos de nossa História e fazendo a obra de patriotismo e de estímulo às mais nobres virtudes militares.

 

 

registrado em:
Fim do conteúdo da página